Confecção do Banner


Caros alunos,

Conforme prometido fechamos uma parceria com uma gráfica com o objetivo de conseguimos baixar o preço da confecção de banners para amostra dos trabalhos na FENIAC 2015. Segue algumas orientações e o contato da gráfica para ajudar vocês.

ex-banner-blog-011. Template

Disponibilizamos um template padrão nas medidas de 80 x 120 cm editável em Power-Point.

Clique aqui para baixar.

Cuidado com a tipografia, recomendamos que utilizem os pacotes básicos de fonte para evitarem problemas nos textos na hora da impressão. Se possível as converta em curvas.

Salve o arquivo em formato PDF.

2. Contato

R$: 38,00
Felipe Hendrel – Imprimi Já
Telefone: (11) 96030-0823
Celular: (11) 4962-2045
E-mail: vendas.gru@imprimeja.com.br
Endereço: Rua Diogo de Farias, 203 – Centro – Guarulhos – SP

logo-imprime-ja-parcera-feniac
*Valor valido somente para alunos participantes da FENIAC, impressão em lona de 80 x 120 cm.

4 investimentos simples e seguros que batem a poupança


post-01

O rendimento da poupança tem sido bem inferior ao de outros investimentos, mas tem quem deixe o dinheiro aplicado na caderneta por pura falta de conhecimento sobre as outras opções de aplicações disponíveis no mercado.

Para te ajudar na tarefa de explorar boas oportunidades de investimento, ou deixar a preguiça de lado (se esse for o caso) e, enfim, buscar um retorno melhor para o seu dinheiro, EXAME.com listou algumas aplicações que podem ser boas alternativas para quem sempre quis se divorciar da poupança, mas tem medo de se aventurar por outros mares.

São investimentos com baixo risco, pouco complexos e com rendimentos que deixam a poupança no chinelo. Veja a seguir.

Tesouro Selic

O Tesouro Selic (antes chamado de LFT) é um título público, negociado por meio da plataforma de negociação online Tesouro Direto. Ele paga ao investidor a variação da taxa básica de juros – a taxa Selic – durante o período da aplicação.

Como o emissor dos títulos é o governo, ele tem baixíssimo risco de crédito, que seria o risco de o emissor desonrar o pagamento. “O risco é menor do que o da poupança, já que, enquanto a poupança conta com a segurança do FGC [Fundo Garantidor de Crédito], o Tesouro Direto conta com a segurança do governo”, diz André Moraes, analista da XP Investimentos.

Ainda que alguns investidores questionem se o risco de calote dos títulos públicos é de fato baixo, economistas dizem que a probabilidade de o governo desonrar os pagamentos dos títulos é remota. Apenas para citar um dos argumentos que reforça o baixo risco de crédito do Tesouro, como os títulos são emitidos em reais, no limite o governo poderia emitir papel-moeda para honrar os pagamentos (veja por que o risco de calote do Tesouro é baixíssimo).

Diferentemente de outros títulos públicos, o Tesouro Selic também não apresenta risco de prejuízo ao ser vendido antes do prazo, já que ele paga a variação da taxa Selic, que é sempre positiva. No máximo ele pode ter um pequeno deságio, que seria uma taxa deduzida da variação da Selic paga para compensar o Tesouro pela venda antes do prazo em um momento de baixo interesse pelo papel.

Mas nada que se compare ao risco de prejuízos dos outros títulos, que ao serem vendidos antes do vencimento podem gerar perdas significativas do valor investido (conheça os riscos de cada título).

Outra grande vantagem, comum a todos os títulos públicos, é que eles são muito democráticos: o investidor que aplica 100 reais tem exatamente a mesma rentabilidade de quem aplica 1 milhão de reais.

O investimento também é bem acessível. O investidor pode comprar apenas uma fração de um título, desde que não compre menos de 1% de um título e não invista menos de 30 reais. Como o Tesouro Selic é atualmente vendido por 7.058,52 reais, com 70,58 reais (1% do título) já é possível fazer a aplicação (veja os preços dos títulos à venda).

É importante tomar cuidado com as taxas de administração cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Enquanto algumas isentam o investidor do pagamento dessa taxa, outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos (confira a lista de agentes de custódia e as taxas cobradas por cada um deles).

Uma das principais desvantagens dos títulos públicos é o desconto de Imposto de Renda (IR): aplicações feitas em até 180 dias são tributadas à alíquota de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%.

Ainda assim, o rendimento do Tesouro Selic em um ano (quando o desconto de IR é de 20%) é de 11,48%, considerando a Selic atual, de 14,25% ao ano. Ou seja, fica bem acima dos 7,56% ao ano da poupança (rentabilidade da caderneta nos últimos 12 meses, segundo a Calculadora do Cidadão, do Banco Central), que é isenta de IR.

Veja o passo a passo para investir nos títulos públicos.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

Ao aplicar em um CDB, o investidor empresta dinheiro ao banco e é remunerado por isso, enquanto o banco utiliza os recursos captados para emprestá-los a outros clientes. Assim, o banco pega o seu dinheiro em uma ponta e empresta na outra, pagando uma taxa menor para captar do que aquela cobrada para emprestar, o que garante seu lucro.

O mais comum é que os CDBs sejam pós-fixados e atrelados à taxa DI, o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, que fica muito próxima à taxa Selic.

Moraes, analista da XP Investimentos, afirma que os CDBs podem ser uma boa alternativa à poupança, sobretudo pelo baixo risco. “Esse investimento tem exatamente a mesma segurança que a poupança porque ambos contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito [FGC], mas o retorno do CDB chega a ser o dobro do retorno da caderneta”, diz.

O FGC é uma entidade mantida pelos próprios bancos para garantir a segurança do mercado financeiro. Em caso de quebra do banco, ele reembolsa ao investidor o seu prejuízo, mas até o limite de 250 mil reais por conta e por CPF. Ou seja, se o investidor aplicar 300 mil reais em um só banco, mesmo que o valor seja dividido entre títulos diferentes, o limite de reembolso é de apenas 250 mil reais.

Além disso, como a proteção é válida por conta, mesmo que duas pessoas sejam titulares de uma conta conjunta o reembolso em caso de prejuízo será de 250 mil reais e não de 500 mil reais.

Ainda que os CDBs sofram desconto do Imposto de Renda (IR) – enquanto LCIs e LCAs são isentas, como será visto a seguir – o banco pode oferecer uma rentabilidade mais alta para os CDBs do que para os investimentos isentos porque os valores captados com esse título não precisam ser destinados para uma linha de crédito específica, como ocorre com as LCIs e LCAs.

É importante, portanto, comparar a rentabilidade líquida do CDB (descontado o IR), para verificar se sua remuneração é superior a de outros investimentos que são isentos.

Vale ressaltar que o CDB é um produto cujas taxas de remuneração costumam ser negociadas com o banco. Assim, se você for um cliente antigo, ou tiver um bom volume de recursos para investir, não deixe de tentar negociar uma taxa maior.

Os bancos menores costumam oferecer taxas mais atraentes, já que eles têm mais risco de quebrar e não captam clientes com a mesma facilidade dos bancos grandes e mais conhecidos. Nos bancos médios é possível encontrar facilmente CDBs que pagam mais de 100% da taxa DI, já nos bancos médios normalmente é oferecido um percentual de 90% da taxa, ou menor.

Outra vantagem dos CDBs é que muitos oferecem liquidez diária, ou seja, permitem o resgate do valor investido a qualquer momento. No entanto, as melhores remunerações são obtidas nos CDBs de longo prazo, com vencimento em um, dois ou três anos.

No caso do banco Sofisa, por exemplo, um CDB com liquidez diária paga 100% do CDI, já um CDB com prazo de três anos, que só permite o resgate no vencimento, rende 110% do CDI.

Os CDBs também costumam ser muito acessíveis. No banco Sofisa, por exemplo, é possível investir com apenas 1 real.

Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

A LCA é o título emitido pelos bancos para financiar participantes da cadeia do agronegócio. Sua principal vantagem é a isenção de IR, benefício concedido pelo governo como forma de incentivar o crédito ao setor.

Já as desvantagens da LCA são os prazos de vencimento mais longos e a exigência de aportes maiores do que o CDB. Alguns bancos exigem aportes de dezenas de milhares de reais para a LCA, ou podem nem oferecer esta opção. No entanto, bancos como o Sofisa já oferecem LCAs com aportes mínimos de 1 real.

André Moraes, analista da XP, afirma que, por mais que a oferta de CDBs seja mais abundante e as LCIs e LCAs tenham ficado mais escassas nos últimos anos, o investidor ainda consegue encontrar esses títulos sem grande dificuldade no mercado. “É possível encontrar produtos na prateleira com boas taxas, de até 97% da taxa DI, e com aportes mínimos de 10 mil reais”, diz.

As LCAs também contam com a proteção do FGC, assim possuem o mesmo risco de crédito que a poupança, que também é protegida pela entidade.

A baixa liquidez, ou seja, a dificuldade de resgatar os recursos antes do prazo deve ser um ponto a ser considerado. “Algumas LCAs têm prazos de vencimento superiores a um ano ou dois e o investidor não consegue resgatar os recursos antes desse prazo”, diz Moraes.

Assim, por mais que a rentabilidade da LCA seja superior a de outras opções, como os CDBs, a aplicação pode não valer a pena para investidores que não têm certeza se realmente podem abrir mão dos recursos durante o prazo do investimento.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

Muito semelhante à LCA, a LCI também conta com isenção de IR e é o título emitido pelos bancos para obtenção de recursos destinados a financiamentos do setor imobiliário. Sua desvantagem pode ser o aporte inicial elevado e o prazo mais longo.

Assim como as LCAs, é mais comum que os bancos exijam aportes elevados para investimentos em LCIs. Mas, novamente, vale ressaltar que alguns bancos podem aceitar aportes menores, como o Sofisa, que permite ao investidor aplicar em LCIs com apenas 1 real.

A remuneração da LCI, assim como do CDB e da LCA, pode variar muito de acordo com a estratégia de cada banco. Se por ventura o banco precisar captar recursos para fornecer crédito a um empreendimento imobiliário, por exemplo, ele pode emitir LCIs com taxas superiores às taxas da LCA e do CDB.

Por isso, é importante pesquisar entre diferentes bancos as taxas oferecidas e comparar as rentabilidades dos CDBs, LCIs e LCAs para checar qual título oferece o maior rendimento – lembrando que, ao comparar o rendimento com o CDB é importante descontar o IR cobrado.

A LCI tem o risco de crédito semelhante ao da poupança e da LCA, já que também conta com a proteção do FGC.

Fundos DI

Os fundos referenciados DI são tipos de fundos que aplicam majoritariamente em investimentos que acompanham as variações da taxa DI. Eles oferecem baixo risco, já que os investimentos atrelados à taxa DI costumam ser conservadores.

Apesar de não contarem com a proteção do FGC, como os fundos possuem CNPJ próprio, por mais que a instituição responsável pelo fundo vá à falência, o fundo não é afetado, apenas passa a ser gerido por outra instituição.

William Eid, professor da Fundação Getúlio Vargas cita como principal vantagem dos fundos sua facilidade. “A partir de 100 reais é possível investir em fundos DI, enquanto LCIs, LCAs e CDBs, principalmente nos grandes bancos, exigem aportes maiores”, afirma.

As desvantagens do investimento são a taxa de administração e o desconto de IR, cobrado por meio do sistema de tributação conhecido como “come-cotas”, no qual o imposto é cobrado duas vezes ao ano (em maio e novembro) e é deduzido por meio da redução do número de cotas do fundo – daí seu apelido.

Ainda que esses fundos possam atingir o rendimento de 100% da taxa DI, como alguns CDBs e o Tesouro Selic, com o desconto da taxa de administração eles podem facilmente perder dessas outras aplicações. As taxas variam bastante, mas costumam partir de 1% e chegam a até 5% ao ano, taxa considerada caríssima.

Outro problema dos fundos DI é que não existe nenhuma garantia de que o fundo conseguirá atingir a uma rentabilidade de 100% da taxa DI, portanto cabe ao investidor buscar um gestor com bom histórico, que seja capaz de bater a taxa DI.

Por conta dessas desvantagens, André Moraes defende que os fundos DI são interessantes apenas para investidores que querem deixar toda a responsabilidade para o gestor.

“Eles são indicados somente para investidores que não querem se preocupar de forma alguma com prazos, onde investir, etc. Por mais que o gestor do fundo seja muito bom, por causa da taxa de administração ele nem sempre ele consegue superar a taxa DI, enquanto CBDs, LCIs e LCAs, superam facilmente”, diz Moraes.

Comparativo

Confira na tabela a seguir uma comparação entre os rendimentos de cada uma das aplicações citadas acima em prazos de um ano e dois anos e o investimento mínimo de cada uma delas.

No caso dos CDBs, LCIs e LCAs foram considerados percentuais da taxa DI comumente oferecidos no mercado, mas os rendimentos podem variar de acordo com o banco. E no caso dos fundos DI foi considerada uma rentabilidade de 100% da taxa DI, mas, da mesma forma, dependendo da gestão, o fundo pode apresentar uma rentabilidade superior ou inferior à apresentada abaixo.

table-02

*Para facilitar o cálculo, todos os rendimentos da tabela consideraram uma taxa DI igual à atual taxa Selic, de 14,25% ao ano. Apesar de ficar próxima à taxa Selic, no entanto, a taxa DI costumam ficar um pouco abaixo da taxa básica de juros.

**1 real é o investimento mínimo exigido pelo Banco Sofisa, mas outros bancos costumam exigir aportes maiores, sobretudo no caso das LCIs e LCAs, que costumam exigir investimentos de pelo menos 10 mil reais.

Diversifique

Ainda que as aplicações citadas estejam entre as mais conservadoras do mercado, nenhum investimento está totalmente livre de riscos.

Por isso vale a pena seguir a velha e boa dica de não colocar todos os ovos numa cesta só. Assim, você não corre o risco de concentrar todos os recursos em um investimento e perder 100% do dinheiro se o improvável ocorrer, afinal outros investimentos podem segurar a onda.

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/4-investimentos-simples-e-seguros-para-desapegar-da-poupanca

NOVO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL


POST - ENGENHARIA CIVIL-01

O Brasil está em franco crescimento, e para atender esta demanda o Eniac lançou um novo curso, desenvolvido com as mais novas e inovadoras metodologias de ensino, trazendo a você o novo curso de Engenharia Civil.

O curso tem como base, a formação científica aplicada a materiais e a processos, relacionados às atividades de construção de edificações,  incentivando a formação de lideranças e o trabalho em equipe, com uma visão crítica dos processos construtivos, apresentando exemplos relacionados à prática profissional.

Depois de graduado, o profissional poderá atuar de maneira autônoma, ou em equipes multiprofissionais, de acordo com o que mais lhe interessa: Especificações e Orçamento, Projeto, Planejamento, Gerenciamento e Execução de Obras de Construção Civil, Gestão do Tratamento de Resíduos, Auditoria, Normatização e Certificação Técnica, Segurança do Trabalho e Ergonomia e Ensino de Engenharia Civil.

Este é um curso único no País, de formação ampla para atuação diferenciada no mercado de trabalho, para fazer a diferença e criar valores para produtos, marcas e serviços.

É muito importante lembrar que a faculdade Eniac disponibiliza excelente estrutura de ensino e com diferenciais como 2h30 de aula por dia e aprendizado na prática.

POST - ENGENHARIA CIVIL-02-02

FESTA JUNINA ENIAC 2015


IMG_5725

Arraiá da Solidariedade Eniac recebe mais de cinco mil pessoas

Festa Junina do Colégio e Faculdade Eniac arrecadou mais de 600 quilos de alimentos que serão doados às instituições carente de Guarulhos

adf08b3effb5ee89d3b8c30e7f1f18e5Mais de cinco mil pessoas participaram do Arraiá da Solidariedade Eniac, realizado no sábado, dia 13, no Colégio e Faculdade Eniac. Organizado pelos alunos, pais, professores, colaboradores da instituição e empresas parceiras, a Festa Junina do Eniac arrecadou mais de 600 quilos de alimentos, que serão doados para a Paróquia Nossa Senhora Aparecida e a Capela São José.

IMG_5744Este ano o tema da festa foi “Ano Internacional das Luzes”. Os alunos utilizaram as tecnologias baseadas na luz, promovendo o desenvolvimento sustentável e fornecendo soluções para os desafios nas áreas de energia. “Esta festa é um ponto marcante de nossa cultura e, por isso, o fato do Colégio conseguir envolver a família, o aluno e os colaboradores, mostra quanto são significativas estas iniciativas”, explica Ricardo Mattielo, diretor geral do Colégio Eniac.

O Colégio e Faculdade Eniac agradece a todos que participaram e se esforçaram para a realização deste evento, Parabéns!

Colégio e Faculdade Eniac participa da aula inaugural da “Oficina de robótica”


DSCN5191Colégio e Faculdade Eniac de Guarulhos, GRU Airport  e a Associação Guarulhense de Amparo ao Menor (Agam) realizaram na sexta-feira, 12, a aula inaugural da “Oficina de robótica”, projeto que visa contribuir para o desenvolvimento educacional e profissional de estudantes entre 13 e 18 anos que vivem nas comunidades do entorno do aeroporto. A iniciativa faz parte do Projeto Afinando o Futuro com Arte, mantido pelo GRU Airport e gerido pela Agam e que atende 120 crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos. O curso está estruturado em três módulos: Robô de sucata a partir de materiais reciclados; robótica educacional com o uso de kits de robótica voltado para iniciantes; e robótica estrutural com o uso de kits educacionais voltados à competição e eventos sociais. A oficina terá uma carga de 70 horas-aula e acontece sempre às sextas-feiras, dividida em duas turmas de 30 alunos, sendo uma no período da manhã e outra à tarde. As aulas teóricas iniciaram em março e, a partir do fim de maio, os alunos receberam os kits de materiais para começar a montar os equipamentos.

BOLSA TALENTO 2015 – AGORA PARA O COLÉGIO E FACULDADE


IMAGEM SITE-01

Bolsa Talento Eniac está com inscrições abertas para ingressantes no colégio e na faculdade

Concurso oferece bolsas de estudo, de até 90%; inscrições vão até sexta-feira

Promover os novos talentos e dar oportunidade de estudos a pessoas que se destacarem em Guarulhos. Esse é o objetivo do Concurso Bolsa Talento Eniac, que este ano traz como novidade as inscrições para colégio e faculdade. As bolsas tem a possibilidade de alcançar 90% de desconto nas mensalidades.

Podem participar do Bolsa Talento Eniac apenas os alunos ingressantes do Colégio e Faculdade Eniac, sendo vedada a participação de alunos já matriculados na instituição, exceto os alunos concluintes do Ensino Médio, que poderão participar do concurso para ingresso na Faculdade.

Para o Colégio, as bolsas são oferecidas ao Ensino Fundamental  II (6º ao 9º ano), Ensino Médio (Período Integral – 1º ano) e Ensino Médio Técnico (Administração, Informática e Mecatrônica).  Já na Faculdade, estão disponíveis para Tecnólogos e Bacharelados, nos cursos Negócios, Engenharia e Informática.

Para participar do concurso, os interessados deverão inscrever-se pelo site www.eniac.com.br/bolsas e efetuar o pagamento da inscrição no valor de R$ 25,00. As provas acontecem nos dias 28/06 e 2/08 para faculdade e 19/07 para o colégio. Os horários serão sempre das 9h às 20h30, de segunda a sexta, e das 9h às 12h30h, sábado e domingo.

Neste domingo, dia 24, já acontecem provas para faculdade e colégio, das 9h às 12h30, e as inscrições devem ser feitas até esta sexta-feira, 22. Mais informações pelos telefones 0800 7736422 e (11) 2472-5500, através do site www.eniac.com.br, ou pessoalmente na Rua Força Pública, 89 – Centro  de Guarulhos.

Eniac investe em capacitação para inovar na educação


image1

Eniac investe em capacitação para inovar na educação

Instituição adere à organização ligada a Harvard, que capacita professores das IES brasileiras para disseminar metodologias de fora em suas escolas

Com o objetivo de trazer o que há de mais contemporâneo e inovador em termos de ensino e aprendizagem para ser aplicado aqui no Brasil, o Eniac aderiu em 2015 ao STHEM, um consórcio formado por instituições de ensino de todo Brasil. Através de LASPAU, uma organização ligada a Harvard, que intermedia o relacionamento com a América Latina, o consórcio investe para trazer professores referência em metodologias inovadoras de ensino e capacitam professores das IES (instituições de ensino superior) brasileiras para disseminar essas metodologias em suas escolas.

No último sábado, dia 16, teve início a capacitação presencial do consórcio. Serão mais de 40 horas de capacitação, cinco facilitadores (professores responsáveis pela capacitação) de cinco instituições diferentes: Harvard, Escola Politécnica de Motreal, Boston University, Universidade de Brandeis e Northeastern University; em seis dias de treinamentos intensivos e aprofundados. “Inovação sempre foi uma temática bem recorrente dentro do Eniac. Inovação tecnológica, inovação em gestão, inovação em infraestrutura, inovação em aprendizagem. Para continuar a inovar é preciso investir, investir em conhecimento para poder inovar nas metodologias que utilizamos para ensinar os nossos estudantes”, informa Fernando Domingues, diretor de Inovação e Novos Negócios do Colégio e Faculdade Eniac.

Fernando explica que, em termos de inovação em aprendizado, serão abordados seis temas diferentes: Metodologias Ativas de Aprendizado; Sala-de-aula Invertida (Flipped Classroom); Blended Learning (Ensino Hibrido); Estudo de caso; Aprendizado em times (Team-based learning); e como criar ambiente eficientes para o aprendizado. “Todos temas relacionados a entender melhor como nosso estudante aprende e como podemos estruturar estratégias mais efetivas de ensino e aprendizado para cativar e motivá-lo em seu processo de formação”, diz o diretor.

Segundo ele, a meta para os professores que estão sendo capacitados é instruir, ao longo de um ano, pelo menos mais cinco professores nas metodologias, conceitos e estratégias  apresentados na capacitação presencial e no módulo online que é desenvolvido ao longo do ano. “Através dessa iniciativa o objetivo é trabalhar para redesenhar a forma como o ensino e aprendizado são desenvolvidos dentro e fora da sala de aula e com isso transformar a experiência educacionais de alunos em todo o  Brasil”, completa.