4 investimentos simples e seguros que batem a poupança


post-01

O rendimento da poupança tem sido bem inferior ao de outros investimentos, mas tem quem deixe o dinheiro aplicado na caderneta por pura falta de conhecimento sobre as outras opções de aplicações disponíveis no mercado.

Para te ajudar na tarefa de explorar boas oportunidades de investimento, ou deixar a preguiça de lado (se esse for o caso) e, enfim, buscar um retorno melhor para o seu dinheiro, EXAME.com listou algumas aplicações que podem ser boas alternativas para quem sempre quis se divorciar da poupança, mas tem medo de se aventurar por outros mares.

São investimentos com baixo risco, pouco complexos e com rendimentos que deixam a poupança no chinelo. Veja a seguir.

Tesouro Selic

O Tesouro Selic (antes chamado de LFT) é um título público, negociado por meio da plataforma de negociação online Tesouro Direto. Ele paga ao investidor a variação da taxa básica de juros – a taxa Selic – durante o período da aplicação.

Como o emissor dos títulos é o governo, ele tem baixíssimo risco de crédito, que seria o risco de o emissor desonrar o pagamento. “O risco é menor do que o da poupança, já que, enquanto a poupança conta com a segurança do FGC [Fundo Garantidor de Crédito], o Tesouro Direto conta com a segurança do governo”, diz André Moraes, analista da XP Investimentos.

Ainda que alguns investidores questionem se o risco de calote dos títulos públicos é de fato baixo, economistas dizem que a probabilidade de o governo desonrar os pagamentos dos títulos é remota. Apenas para citar um dos argumentos que reforça o baixo risco de crédito do Tesouro, como os títulos são emitidos em reais, no limite o governo poderia emitir papel-moeda para honrar os pagamentos (veja por que o risco de calote do Tesouro é baixíssimo).

Diferentemente de outros títulos públicos, o Tesouro Selic também não apresenta risco de prejuízo ao ser vendido antes do prazo, já que ele paga a variação da taxa Selic, que é sempre positiva. No máximo ele pode ter um pequeno deságio, que seria uma taxa deduzida da variação da Selic paga para compensar o Tesouro pela venda antes do prazo em um momento de baixo interesse pelo papel.

Mas nada que se compare ao risco de prejuízos dos outros títulos, que ao serem vendidos antes do vencimento podem gerar perdas significativas do valor investido (conheça os riscos de cada título).

Outra grande vantagem, comum a todos os títulos públicos, é que eles são muito democráticos: o investidor que aplica 100 reais tem exatamente a mesma rentabilidade de quem aplica 1 milhão de reais.

O investimento também é bem acessível. O investidor pode comprar apenas uma fração de um título, desde que não compre menos de 1% de um título e não invista menos de 30 reais. Como o Tesouro Selic é atualmente vendido por 7.058,52 reais, com 70,58 reais (1% do título) já é possível fazer a aplicação (veja os preços dos títulos à venda).

É importante tomar cuidado com as taxas de administração cobradas pelas instituições financeiras autorizadas a negociar os títulos públicos, chamadas de agentes de custódia. Enquanto algumas isentam o investidor do pagamento dessa taxa, outras chegam a cobrar até 2% ao ano, o que compromete os ganhos (confira a lista de agentes de custódia e as taxas cobradas por cada um deles).

Uma das principais desvantagens dos títulos públicos é o desconto de Imposto de Renda (IR): aplicações feitas em até 180 dias são tributadas à alíquota de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%.

Ainda assim, o rendimento do Tesouro Selic em um ano (quando o desconto de IR é de 20%) é de 11,48%, considerando a Selic atual, de 14,25% ao ano. Ou seja, fica bem acima dos 7,56% ao ano da poupança (rentabilidade da caderneta nos últimos 12 meses, segundo a Calculadora do Cidadão, do Banco Central), que é isenta de IR.

Veja o passo a passo para investir nos títulos públicos.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

Ao aplicar em um CDB, o investidor empresta dinheiro ao banco e é remunerado por isso, enquanto o banco utiliza os recursos captados para emprestá-los a outros clientes. Assim, o banco pega o seu dinheiro em uma ponta e empresta na outra, pagando uma taxa menor para captar do que aquela cobrada para emprestar, o que garante seu lucro.

O mais comum é que os CDBs sejam pós-fixados e atrelados à taxa DI, o que significa que eles pagam ao investidor certo percentual dessa taxa, que fica muito próxima à taxa Selic.

Moraes, analista da XP Investimentos, afirma que os CDBs podem ser uma boa alternativa à poupança, sobretudo pelo baixo risco. “Esse investimento tem exatamente a mesma segurança que a poupança porque ambos contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito [FGC], mas o retorno do CDB chega a ser o dobro do retorno da caderneta”, diz.

O FGC é uma entidade mantida pelos próprios bancos para garantir a segurança do mercado financeiro. Em caso de quebra do banco, ele reembolsa ao investidor o seu prejuízo, mas até o limite de 250 mil reais por conta e por CPF. Ou seja, se o investidor aplicar 300 mil reais em um só banco, mesmo que o valor seja dividido entre títulos diferentes, o limite de reembolso é de apenas 250 mil reais.

Além disso, como a proteção é válida por conta, mesmo que duas pessoas sejam titulares de uma conta conjunta o reembolso em caso de prejuízo será de 250 mil reais e não de 500 mil reais.

Ainda que os CDBs sofram desconto do Imposto de Renda (IR) – enquanto LCIs e LCAs são isentas, como será visto a seguir – o banco pode oferecer uma rentabilidade mais alta para os CDBs do que para os investimentos isentos porque os valores captados com esse título não precisam ser destinados para uma linha de crédito específica, como ocorre com as LCIs e LCAs.

É importante, portanto, comparar a rentabilidade líquida do CDB (descontado o IR), para verificar se sua remuneração é superior a de outros investimentos que são isentos.

Vale ressaltar que o CDB é um produto cujas taxas de remuneração costumam ser negociadas com o banco. Assim, se você for um cliente antigo, ou tiver um bom volume de recursos para investir, não deixe de tentar negociar uma taxa maior.

Os bancos menores costumam oferecer taxas mais atraentes, já que eles têm mais risco de quebrar e não captam clientes com a mesma facilidade dos bancos grandes e mais conhecidos. Nos bancos médios é possível encontrar facilmente CDBs que pagam mais de 100% da taxa DI, já nos bancos médios normalmente é oferecido um percentual de 90% da taxa, ou menor.

Outra vantagem dos CDBs é que muitos oferecem liquidez diária, ou seja, permitem o resgate do valor investido a qualquer momento. No entanto, as melhores remunerações são obtidas nos CDBs de longo prazo, com vencimento em um, dois ou três anos.

No caso do banco Sofisa, por exemplo, um CDB com liquidez diária paga 100% do CDI, já um CDB com prazo de três anos, que só permite o resgate no vencimento, rende 110% do CDI.

Os CDBs também costumam ser muito acessíveis. No banco Sofisa, por exemplo, é possível investir com apenas 1 real.

Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

A LCA é o título emitido pelos bancos para financiar participantes da cadeia do agronegócio. Sua principal vantagem é a isenção de IR, benefício concedido pelo governo como forma de incentivar o crédito ao setor.

Já as desvantagens da LCA são os prazos de vencimento mais longos e a exigência de aportes maiores do que o CDB. Alguns bancos exigem aportes de dezenas de milhares de reais para a LCA, ou podem nem oferecer esta opção. No entanto, bancos como o Sofisa já oferecem LCAs com aportes mínimos de 1 real.

André Moraes, analista da XP, afirma que, por mais que a oferta de CDBs seja mais abundante e as LCIs e LCAs tenham ficado mais escassas nos últimos anos, o investidor ainda consegue encontrar esses títulos sem grande dificuldade no mercado. “É possível encontrar produtos na prateleira com boas taxas, de até 97% da taxa DI, e com aportes mínimos de 10 mil reais”, diz.

As LCAs também contam com a proteção do FGC, assim possuem o mesmo risco de crédito que a poupança, que também é protegida pela entidade.

A baixa liquidez, ou seja, a dificuldade de resgatar os recursos antes do prazo deve ser um ponto a ser considerado. “Algumas LCAs têm prazos de vencimento superiores a um ano ou dois e o investidor não consegue resgatar os recursos antes desse prazo”, diz Moraes.

Assim, por mais que a rentabilidade da LCA seja superior a de outras opções, como os CDBs, a aplicação pode não valer a pena para investidores que não têm certeza se realmente podem abrir mão dos recursos durante o prazo do investimento.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

Muito semelhante à LCA, a LCI também conta com isenção de IR e é o título emitido pelos bancos para obtenção de recursos destinados a financiamentos do setor imobiliário. Sua desvantagem pode ser o aporte inicial elevado e o prazo mais longo.

Assim como as LCAs, é mais comum que os bancos exijam aportes elevados para investimentos em LCIs. Mas, novamente, vale ressaltar que alguns bancos podem aceitar aportes menores, como o Sofisa, que permite ao investidor aplicar em LCIs com apenas 1 real.

A remuneração da LCI, assim como do CDB e da LCA, pode variar muito de acordo com a estratégia de cada banco. Se por ventura o banco precisar captar recursos para fornecer crédito a um empreendimento imobiliário, por exemplo, ele pode emitir LCIs com taxas superiores às taxas da LCA e do CDB.

Por isso, é importante pesquisar entre diferentes bancos as taxas oferecidas e comparar as rentabilidades dos CDBs, LCIs e LCAs para checar qual título oferece o maior rendimento – lembrando que, ao comparar o rendimento com o CDB é importante descontar o IR cobrado.

A LCI tem o risco de crédito semelhante ao da poupança e da LCA, já que também conta com a proteção do FGC.

Fundos DI

Os fundos referenciados DI são tipos de fundos que aplicam majoritariamente em investimentos que acompanham as variações da taxa DI. Eles oferecem baixo risco, já que os investimentos atrelados à taxa DI costumam ser conservadores.

Apesar de não contarem com a proteção do FGC, como os fundos possuem CNPJ próprio, por mais que a instituição responsável pelo fundo vá à falência, o fundo não é afetado, apenas passa a ser gerido por outra instituição.

William Eid, professor da Fundação Getúlio Vargas cita como principal vantagem dos fundos sua facilidade. “A partir de 100 reais é possível investir em fundos DI, enquanto LCIs, LCAs e CDBs, principalmente nos grandes bancos, exigem aportes maiores”, afirma.

As desvantagens do investimento são a taxa de administração e o desconto de IR, cobrado por meio do sistema de tributação conhecido como “come-cotas”, no qual o imposto é cobrado duas vezes ao ano (em maio e novembro) e é deduzido por meio da redução do número de cotas do fundo – daí seu apelido.

Ainda que esses fundos possam atingir o rendimento de 100% da taxa DI, como alguns CDBs e o Tesouro Selic, com o desconto da taxa de administração eles podem facilmente perder dessas outras aplicações. As taxas variam bastante, mas costumam partir de 1% e chegam a até 5% ao ano, taxa considerada caríssima.

Outro problema dos fundos DI é que não existe nenhuma garantia de que o fundo conseguirá atingir a uma rentabilidade de 100% da taxa DI, portanto cabe ao investidor buscar um gestor com bom histórico, que seja capaz de bater a taxa DI.

Por conta dessas desvantagens, André Moraes defende que os fundos DI são interessantes apenas para investidores que querem deixar toda a responsabilidade para o gestor.

“Eles são indicados somente para investidores que não querem se preocupar de forma alguma com prazos, onde investir, etc. Por mais que o gestor do fundo seja muito bom, por causa da taxa de administração ele nem sempre ele consegue superar a taxa DI, enquanto CBDs, LCIs e LCAs, superam facilmente”, diz Moraes.

Comparativo

Confira na tabela a seguir uma comparação entre os rendimentos de cada uma das aplicações citadas acima em prazos de um ano e dois anos e o investimento mínimo de cada uma delas.

No caso dos CDBs, LCIs e LCAs foram considerados percentuais da taxa DI comumente oferecidos no mercado, mas os rendimentos podem variar de acordo com o banco. E no caso dos fundos DI foi considerada uma rentabilidade de 100% da taxa DI, mas, da mesma forma, dependendo da gestão, o fundo pode apresentar uma rentabilidade superior ou inferior à apresentada abaixo.

table-02

*Para facilitar o cálculo, todos os rendimentos da tabela consideraram uma taxa DI igual à atual taxa Selic, de 14,25% ao ano. Apesar de ficar próxima à taxa Selic, no entanto, a taxa DI costumam ficar um pouco abaixo da taxa básica de juros.

**1 real é o investimento mínimo exigido pelo Banco Sofisa, mas outros bancos costumam exigir aportes maiores, sobretudo no caso das LCIs e LCAs, que costumam exigir investimentos de pelo menos 10 mil reais.

Diversifique

Ainda que as aplicações citadas estejam entre as mais conservadoras do mercado, nenhum investimento está totalmente livre de riscos.

Por isso vale a pena seguir a velha e boa dica de não colocar todos os ovos numa cesta só. Assim, você não corre o risco de concentrar todos os recursos em um investimento e perder 100% do dinheiro se o improvável ocorrer, afinal outros investimentos podem segurar a onda.

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/4-investimentos-simples-e-seguros-para-desapegar-da-poupanca

Brasil leva o primeiro lugar no quadro de medalhas na WorldSkills.


worldskills-sao-paulo-2015

O Brasil fechou com chave de ouro sua participação na WorldSkills, conquistou o primeiro lugar no quadro geral de medalhas e esta foi a melhor colocação do país na história do evento, superando apenas o vice-campeonato realizado na Inglaterra, em 2011.

A 43ª foi a primeira a ser realizada na América Latina. Aproveitando ser sede do evento, os competidores brasileiros acumularam o número recorde de medalhas, ao total foram 27, sendo elas: 11 de ouro, 10 de prata e 6 de bronze. Além disso, os brasileiros também garantiram 18 certificados de excelência, os quais são concedidos a competidores com pontuações elevadas, mas que não atingiram o pódio.

A próxima edição da WorldSkills já está com data e locais definidos e, mais uma vez o local será inédito. A sede escolhida foi a capital dos Emirados Árabes, Abu Dhabi que receberá os competidores entre os dias 14 e 19 de outubro de 2017.

7 coisas que pessoas de sucesso fazem antes de dormir


AHH_Business_Sleep-or-Meet_quer_1500x990

Os rituais noturnos dos bem-sucedidos

Terminar bem a noite é o primeiro passo para começar bem o dia. E pessoas de sucesso parecem saber bem disso.
Por isso, muitas delas promovem uma espécie de ritual antes de dormir.

Este hábito contribui para uma boa noite de sono e aumenta as chances de sair da cama com o pé direito para encarar as tarefas da próxima jornada. Confira, nas fotos, alguns exemplos inspiradores.

1. Ler antes de dormir

BILL GATESUma hora de leitura quase toda noite. “É parte do processo de cair no sono”, disse o bilionário Bill Gates ao Seattle Time. Informativos e bem escritos são seus títulos preferidos e as áreas que mais o interessam vão de saúde a meio ambiente e claro, política e negócios. O bilionário também gosta de recomendar livros cuja leitura considera indispensável.

2. Ficar longe de telas de computadores, tablets e outros gadgets

Arianna Huffington

Outra ávida leitora noturna é Arianna Huffington. Mas, neste momento ela deixa de lado qualquer gadget e opta pelo tradicional: prefere ler o velho e bom livro de papel.

Nada melhor do que o bom e velho cheiro das páginas de um livro. :D

3. Desligar o celular

Ariana HuffingtonSe Ariana Huffington foge de tablets, notebooks e outros gadgets, a COO do Facebook, , desliga é o celular para que nada atrapalhe sua noite de sono. Mas não sem antes checar seus emails, o que também faz logo que acorda, segundo ela contou ao USA Today.

4. Escrever as prioridades do próximo dia

Kenneth ChenaultEste é o ritual do presidente da American Express, Kenneth Chenault, segundo o Business Insider. Ele gosta de estabelecer e registar por escrito as três tarefas prioritárias do próximo dia. Assim, acorda mais focado em cumpri-las.

5. Organizar e aquietar a mente

Laurie TuckerA executiva Laurie Tucker – que trabalhou por décadas na FedEx onde chegou a vice-presidente de marketing corporativo e hoje é sócia-fundadora da Calade Partners LLC – dorme poucas horas por noite. A quietude das madrugadas é o momento perfeito para pensar e organizar a mente. Quando não está entretida com seus pensamentos, ela está lendo algum livro, segundo reportagem da Fast Company.

6. Fazer uma caminhada

Joel Gascoigne.Andar sob a brisa da noite é uma atividade sagrada para o co-fundador e presidente da Buffer, Joel Gascoigne. Durante a caminhada ele avalia como foi o seu dia e relembra seus principais desafios.

E assim gradualmente vai tirando assuntos da cabeça e se desvencilha do turbilhão que geralmente é seu dia de trabalho. Defensor da necessidade de rituais noturnos de desengajamento do trabalho e preparo para o descanso, ele deu esta dica em seu blog.

7. Terminar um projeto importante

21a359cÀ Fast Company, o ex-executivo do Google Keval Desai, sócio da InterWest Partners, diz aproveitar a noite para concretizar projetos. Sim, ele trabalha antes de dormir. Escolhe um projeto e não vai para cama sem a sensação de dever cumprido.


Só para firmar na sua mente o que as pessoas bem sucedidas fazem antes de dormir segundo este artigo:

Ler;

Esquecer um pouco o computador, tablets etc;

Desligar o celular;

Escrever as prioridades;

Caminhar;

Focar em um projeto.

Boa sorte!


Fonte:http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/7-coisas-que-pessoas-de-sucesso-fazem-antes-de-dormir#1

WorldSkills Competition


Realizado a cada dois anos, o mundial WorldSkills Competition chega à sua 43ª edição e é a primeira vez que é realizada no Brasil. O evento teve abertura nesta quarta-feira (12) e está acontecendo no Anhembi Parque até sábado (15).

A programação reúne mais de 1.200 competidores de 62 países, que disputarão medalhas de ouro, prata e bronze em 50 ocupações técnicas da indústria e do setor de serviços. Nas disputas, os participantes realizam tarefas que são executadas no dia a dia em suas profissões. Vence aqueles que executam o trabalho dentro dos padrões e prazos internacionais de qualidade.

O Colégio e Faculdade Eniac marcou presença no primeiro dia do evento, desfrutando de todos os momentos das competições e está na expectativa de medalhas brasileiras.

Não deixem de conferir o evento, a entrada é livre e gratuita!

OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA E LÍNGUA PORTUGUESA – ETAPA


A 18ª Olimpíadas de Matemática e 15ª de Língua Portuguesa tem por objetivo estimular o intercâmbio em um clima saudável de competição entre alunos e professores das escolas parceiras do Sistema Etapa realizada no Acampamento NR2.

O 13º Desafio de Competências e Habilidades do Sistema Etapa tem por objetivo estimular a prática dos conhecimentos multidisciplinares aprendidos durante todo o ensino básico pelos alunos do 3º ano do ensino médio.

A vasta experiência com a participação de nossos alunos em várias competições oficiais desse tipo tem mostrado o aumento do interesse e da intensidade do estudo por parte dos alunos.

Essa maior dedicação dos alunos exige que os professores também se aprimorem na mesma medida para dar suporte aos estudantes interessados. Além disso, certamente cresce o interesse de todos em fazer a escola ter melhores resultados a cada ano.

O Colégio Eniac volta a participar em 2015 nestes Desafios encabeçado pela Profª CLARA, responsável pelo Projeto das OLIMPÍADAS, que durante 5 meses vem preparando os alunos para as Olimpíadas inclusive durante as Férias que tivemos o início das Oficinas de Matemática que foram de grande importância para os resultados deste Evento.

A participação do Eniac neste final de semana 07 e 08 de agosto foi especial no Acampamento NR2, onde 10 alunos foram acompanhados pelos professores Clara e Wesley, obtendo 4 medalhas, 2 de Matemática, 1 de Português e uma de Desafios. Independente do resultado os dez alunos já saíram do colégio sendo ganhadores, já que eles já tinham enfrentado uma pré seleção que levaram eles a participar da fase final das Olimpíadas e desafios do Sistema.

Olimpíada Brasileira de Matemática – OBM


Criada em 1979, a competição envolveu em 2014 mais de 564 mil estudantes e seus professores. Este ano a prova da primeira fase será realizada nas instituições cadastradas na sexta-feira, 12 de junho, a segunda fase, também realizada nessas instituições ocorrerá na sexta-feira, 18 de setembro e a terceira e última fase nos dias sábado 17 e domingo 18 de outubro, em locais a serem definidos.

Como premiação serão entregues medalhas de ouro, prata, bronze e certificados de menção honrosa. A divulgação dos resultados está prevista para dezembro.

A Olimpíada Brasileira de Matemática – OBM é um projeto aberto a estudantes de todas as instituições de ensino brasileiras, sejam públicas ou privadas, abrangendo o ensino fundamental, médio e universitário.

De acordo com o Coordenador-Geral da OBM, professor Carlos Gustavo Moreira, a competição tem o objetivo não somente de promover a melhoria do ensino de Matemática nas instituições e detectar talentos para a pesquisa científica como também de selecionar os estudantes que competirão representando o Brasil em olimpíadas internacionais do gênero.

A Olimpíada do Colégio Eniac está sob a organização da Professora Clara de Freitas.

Confira a lista dos Alunos classificados.

NOVO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL


POST - ENGENHARIA CIVIL-01

O Brasil está em franco crescimento, e para atender esta demanda o Eniac lançou um novo curso, desenvolvido com as mais novas e inovadoras metodologias de ensino, trazendo a você o novo curso de Engenharia Civil.

O curso tem como base, a formação científica aplicada a materiais e a processos, relacionados às atividades de construção de edificações,  incentivando a formação de lideranças e o trabalho em equipe, com uma visão crítica dos processos construtivos, apresentando exemplos relacionados à prática profissional.

Depois de graduado, o profissional poderá atuar de maneira autônoma, ou em equipes multiprofissionais, de acordo com o que mais lhe interessa: Especificações e Orçamento, Projeto, Planejamento, Gerenciamento e Execução de Obras de Construção Civil, Gestão do Tratamento de Resíduos, Auditoria, Normatização e Certificação Técnica, Segurança do Trabalho e Ergonomia e Ensino de Engenharia Civil.

Este é um curso único no País, de formação ampla para atuação diferenciada no mercado de trabalho, para fazer a diferença e criar valores para produtos, marcas e serviços.

É muito importante lembrar que a faculdade Eniac disponibiliza excelente estrutura de ensino e com diferenciais como 2h30 de aula por dia e aprendizado na prática.

POST - ENGENHARIA CIVIL-02-02